Tag Archives: produções fotograficas

Agorah Comunicação e Banco Bradesco Lado a Lado com Você

Durante os dias 31 de agosto e 1º de setembro a equipe da Agorah Comunicação acompanhou a diretoria do Banco Bradesco, durante o XV Festival Cultura e Gastronômia de Tiradentes. O Banco foi o principal patrocinador do evento, comprovando sua preocupação e incentivo a cultura gastronômica. Foi um grande prazer trabalhar com a equipe do Banco e da Agência Super Produções e Idéias Comerciais.

Fotos: Thiago Morandi

Este slideshow necessita de JavaScript.

Exposição Rotativa de Ensaios Fotográficos

A exposição rotativa de ensaios fotográficos do curso de Comunicação Social – Jornalismo da UFSJ e convidado surgiu como forma de levar até o publico um pouco da arte fotográfica, para isso foram escolhidos um bar da cidade e aproximadamente 25 coletivos de São João del- Rei. Na exposição do Bar do Carioca, localizado ao lado da Igreja de N.S. do Carmo, escolhemos como tema retratar pessoas, através de retratos e situações do cotidiano.

Os ensaios retratam a vida urbana, com o congelamento das cenas como forma de reflexão sobre os tempos possíveis de Kairós. As cenas de paisagens cotidianas, chamam a atenção para reflexão das paisagens urbanas que nos rodeiam.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Curadoria:

Thiago Morandi

André Neves P. Azevedo

 

Fotógrafos:

André Neves P. Azevedo

Carol Argamim Gouvêa,

Paulo Filho,

Ruzza Lage

Thiago Morandi

Supervisão:

Kátia Lombardi

Devoção- Festa de Santíssima Trindade

Tiradentes realiza desde o século XVIII a tradicional Festa da Santíssima Trindade, atraindo milhares de devotos e visitantes. A festa geralmente acontece próxima à festa do Divino -dia de pentecostes-, quase sempre seu Dia maior acontece uma semana depois.

A grande quantidade de fiéis e devotos impressiona, há sempre pessoas depositando velas aos pés da imagem e fazendo pedidos ou agradecendo por graças alcançadas. Ao lado da igreja encontra-se a sala de milagres, onde é encontrado ex-votos (quadros de pinturas ou fotografias), além de pernas, cabeças e partes do corpo humano feitos em cera; também são deixadas muletas, andadores, dentre vários outros artefatos.

Devotos esperam, às vezes, horas na fila para agradecer e beijar a fita das imagens da Santíssima Trindade, Jesus e Divino Espirito Santo, segundo Cecília de Jesus, “é um momento de renovação e fortalecimento da fé e vida espiritual”.

A fé não é a única atração para os visitantes, muitas pessoas vão a Tiradentes nesta época para comprar. Durante a festa as ruas ao redor da Igreja da Santíssima Trindade ficam repletas de barracas vendendo de tudo: blusas, meias, panelas, quadros, equipamentos eletrônicos, brinquedos, doces e muitos artigos importados.

______________________________________________________

Devoção

Festa da Santíssima Trindade- Tiradentes- MG
Ensaio fotográfico realizado em 2011

Direção e Edição
Thiago Morandi

Fotografia
Daniel Gouvêa
Thiago Morandi

Salve o Divino!

Detalhe da mão de um Capittao de Congado

No domingo, dia 27 de maio, foi comemorado o Pentecostes, dia em que se celebra a devoção ao Divino Espirito Santo. Na igreja do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, em São João del-Rei, foi celebrada com muita cor, fé, danças e cânticos, manifestada com diversos grupos de congados, de várias regiões de Minas, que compareceram à festa.

A Festa do Divino tem sua origem em Portugal. Conta-se  que a Rainha Santa Isabel (1217-1336), teria sonhado com um pedido de Deus para que ela construísse uma igreja em honra ao espírito Santo em Alencar, Portugal. No Brasil, podemos dizer que essa festa chegou junto á colonização.

Em São João del –Rei, a Festa do Divino, inicio-se em  1774, na antiga igrejinha do Matosinhos, que foi demolida na década de 1970. Entre os anos de 1924 e 1998, a festa foi suspensa por ordem do então Bispo de Mariana. Em 1998, com o esforço do de u m grupo de fiéis a festa foi resgatada.

Abaixo um pequeno ensaio fotográfico dessa manifestação.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tempo de Fé, a semana santa vista por um outro olhar

Tempo de fé foi produzido por estudantes de jornalismo da UFSJ e fotógrafos são-joanenses durante a semana santa em São João del-rei, Minas Gerais em 2012. Realizado utilizando a técnica do time-lapse, fotografias que colocadas em sequencia se transformam em imagem em movimento, o produto final tem caráter documental, e fotojornalistico.

Esse é o primeiro vídeo retratando a Semana Santa em Time-Lapse, foram aproximadamente cinco dias de captação de imagens, utilizando câmeras fotográficas Nikon e Cannon, com a tecnologia DSLR e 120 GB de arquivos.

Confira o Vídeo abaixo e mande críticas!

https://vimeo.com/40999489

Semana Santa muito além da fé

A Semana santa em São João del-Rei é uma demonstração da fé que se mantem por aproximadamente 300 anos através de suas cerimonias religiosas. Dentre as quais temos o oficio de Trevas, cerimonia litúrgica existente nos moldes de 1700, somente aqui, nem mesmo o vaticano mantem uma cerimonia igual a essa. O Lava Pés, é o momento em que o Bispo representa a figura de Cristo ao lavar os pés dos apóstolos.

Outro destaque é o descendimento da cruz, um cenário exuberante é montado, e enquanto o pregador profere suas palavras a respeito das dores em que Jesus passou na cruz até sua morte, é retirado a coroa de espinhos e os pregos que prendiam seus pés e suas mãos. Logo após a retirada da imagem, os personagens que compunham o cenário, junto a imagem de Cristo, saem em cortejo fúnebre na procissão do enterro.

Dois dias após essa cerimonia, no domingo de pascoa, é o momento mais divino da Semana Santa, quando se comemora a ressurreição de Jesus, nesse dia é realizada a procissão do Santíssimo Sacramento e  coroação de Nossa senhora das Dores.

A celebração da Semana Santa vai muito além da fé, mantendo as tradições religiosas, grupos, como a Atitude Cultural,  resgatam os tapetes de rua, dando às procissões um charme de beleza e cores.

Nesse ensaio um pouco do que foi a Semana Santa em São João del-Rei em 2012.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Semana Santa- tradição e religiosidade

A Semana Santa começou no ultimo domingo, com a benção dos ramos seguida de procissão, saindo da igreja de Nossa Senhora do rosário e terminando na catedral de Nossa senhora do Pilar, onde aconteceu a cerimônia do Canto da Paixão.

Na noite de ontem aconteceu a cerimonia do Oficio de Trevas, única no mundo, ela lembra as trevas de cristo, se aproximando o momento de sua crucificação, um candelabro com 15 velas é apagado a cada cântico de salmos em latim.

Durante a manhã de hoje, quinta feira santa, aconteceu a missa do Crisma, padres de aproximadamente 60 paroquias que corresponde a Diocese de São João del-Rei, recebem os óleos bentos, que são utilizados nas cerimonias em sua respectivas paroquias.

Enquanto acontecem as cerimonias religiosas, grupos confeccionam tapetes de rua em São João del-Rei, no largo da igreja de São Francisco é criado um tapete de aproximadamente 25 metros, cobrindo quase todo o largo da igreja.

Abaixo algumas fotos do inicio da Semana Santa em São João del-Rei

Este slideshow necessita de JavaScript.

Manifestação agita São joão del-Rei

 

No dia 24 de maio de 2011, aconteceu uma manifestação organizada pela população de São João del-Rei, em resposta à declarações da vereadora Silvia Fernada (PMDB), que em pleno plenário da cidade afirmou, no último dia 10,  que para solucionar problemas de animais abandonados das ruas seria necessário a morte deles.

Mais detalhes em:
 
 

 

Vereadora cria polêmica em São João del-Rei

Herois de Guerra viram filme

Três soldados mineiros que marcaram história na 2º Guerra Mundial  tornam-se filme.

Gravação do filme em área militar do 11º BI

No dia 29 de junho de 1944, milhares de brasileiros embarcaram rumo aos campos de batalha na Itália. Em 22 de setembro do mesmo ano era a vez de três soldados fazerem história na II Guerra Mundial. Sozinhos enfrentaram, até a morte, uma companhia nazista composta por aproximadamente 100 homens. Essa história está sendo retratada no filme Herois, que começou a ser gravado dia 26 de abrilem São Joãodel-Rei.

O filme começou a ser elaborado em 2009, quando o diretor do média metragem, Guto Aeraphe, visitou o museu da FEBem São Joãodel-Rei  e conheceu o pracinha da FEB, Capitão Ary, que contou dentre várias histórias, a dos três soldados. Para o diretor, essa “é uma história bacana, que nunca foi contada e é um gênero novo”, pois nunca foi retratada uma história dessas no cinema brasileiro. Após iniciativa, começou uma ampla pesquisa.

A partir da história desses três heróis de guerra, Geraldo Baêta da Cruz, 28 anos, natural de Entre Rios de Minas, Arlindo Lúcio da Silva, de 25, de São João del-Rei, e Geraldo Rodrigues de Souza, de 26, de Rio Preto, na Zona da Mata, será contada a história de outros pracinhas brasileiros. Principalmente os que morreram na cidade italiana de Montese, onde ocorreu a morte dos três soldados e também uma das mais sangrentas batalhas do conflito.

Major Carlos, disse que Guto procurou o Centro de Comunicação do Exercito e “o exercito se prontificou em apoiar a produção do filme por ter em vista a importância do fato ocorrido na Segunda Guerra para a FEB e para o exercito” e afirmou que assim divulgam-se fatos de conhecimento somente dos militares para a população, transformando-os em patrimônio cultural para o Brasil.

Explosão

São aproximadamente 50 pessoas envolvidas na gravação. A equipe recebeu treinamento militar. Para Isaac Ribeiro, ator, “a preparação do 11º BI foi fundamental para chegar no SET e se sentir seguro”, outro ator, Enzo Silveira, afirma que “ o Exército foi a melhor base para eles sustentarem os personagens”, os atores ainda disseram que não prestaram serviço militar e que o treinamento que receberam foi como uma dívida paga à nação, Marco Fuga, que também faz parte do elenco chegou até comer larva durante o treinamento recebido pelos militares. Preste atenção à acentuação.

Toda a gravação está sendo realizada em áreas de treinamento do 11º BI (11º Batalhão de Infantaria de Montanha). Segundo a equipe do filme, vivenciar essa época e acompanhar o treinamento dos militares proporcionou a eles um respeito maior às forças armadas.

Os equipamentos utilizados para a filmagem são varias (várias) câmeras com a tecnologia DRSL’s, que são máquinas fotográficas que filmam em alta definição. Além disso, as armas e capacetes usados pelos atores são as mesmas utilizadas nos campos de batalha na Itália. As cenas contam ainda com efeitos de explosão e também com barulhos de tiros feitos com armas de verdade.

   

Foto: Blog de Guto Aeraphe

Foto: Blog de Guto Aeraphe

Guto Aeraphe pretende lançar o filme em meados de setembro ou outubro de 2011. Em seu blog [http://www.heroisofilme.blogspot.com/] é possível acompanhar parte do processo de concepção e produção do média metragem. Uma sessão de pré-estréia será especialmente preparada para São João del-Rei.

 

Um pouco da História

O Capitão Ary contou ao diretor do filme, que em uma das incursões das tropas brasileiras, os três pracinhas mineiros se viram frente a frente com uma companhia alemã composta de aproximadamente 100 homens. Era 14 de abril de 1945. Eles receberam ordens para se render, mas continuaram em combate até ficarem sem munição e serem mortos.

O detalhe é que, em vez da vala comum, receberam honras especiais do Exército alemão. Admirado com a coragem e resistência do trio, o comandante nazista mandou enterrá-los e colocar sobre as covas, cruzes e placas com a inscrição: “Drei Brasilianis che Helden” ou “Três Heróis Brasileiros”.

Duas semanas depois, a guerra terminara e a tomada de Montese em 16 de abril de 1945 foi a mais violenta, sangrenta, heróica e a maior conquista das tropas brasileiras. Somente em Montese a FEB teve 426 baixas ou pessoas mortas.

Alguns Números

Foram 25.344 brasileiros que compuseram a FEB. Desses, 15 mil fizeram parte da linha de frente de batalha, o restante auxiliou na retaguarda. 465 foram os herois de guerra que o Brasil perdeu em solo Italiano. Mais de 2 mil morreriam depois de voltarem ao Brasil.

Estavam entre os prisioneiros feitos pelos pracinhas, 2 generais alemães. Foram capturados 892 oficiais e 19.689 soldados do Eixo.

A divisão brasileira permaneceu 239 dias em combate na Itália. Foram 445 missões ofensivas realizadas pelo 1º Grupo de Caça da FEB, totalizando 2.546 saídas individuais de aviões em combates e 6.144 horas de Vôo.